Serviços

 

1- CONSULTAS ESPECIALIZADAS EM OTORRINOLARINGOLOGIA

A OTORRINOLARINGOLOGIA É UMA ESPECIALIDADE MÉDICA QUE VISA O TRATAMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DAS DOENÇAS LOCALIZADAS NO OUVIDO, NARIZ E GARGANTA.

 

 

2 - EXAMES OTORRINOLARINGOLÓGICOS

SÃO EXAMES QUE AJUDAM O MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA A FAZER UM DIAGNÓSTICO DE FORMA MAIS RÁPIDA E PRECISA. 

 

 

 

TIPOS DE EXAMES OTORRINOLARINGOLÓGICOS

 

 

- VIDEOLARINGOSCOPIA:

ESTE EXAME CONSISTE NA VISUALIZAÇÃO DA FARINGE E LARINGE POR MEIO DE UM EQUIPAMENTO (ÓTICA RIGIDA COM ANGULAÇÃO DE 70°) INTRODUZIDO PELA CAVIDADE ORAL.

 

É FEITO SEM A NECESSIDADE DE SEDAÇÃO, APENAS ANESTÉSICO TÓPICO. A FAIXA ETÁRIA DOS PACIENTES QUE PODEM SER SUBMETIDOS A ESTE EXAME E O TEMPO DE REALIZAÇÃO VARIAM DE ACORDO COM A HABILIDADE DO MÉDICO EXAMINADOR, PODENDO SER REALIZADO EM CRIANÇAS, ADULTOS E IDOSOS.

 

CONTUDO, EM CRIANÇAS MUITO PEQUENAS OU EM PACIENTES COM REFLEXO NAUSEOSO AUMENTADO E QUE PRECISAM DE UMA LARINGOSCOPIA, GERALMENTE SE USA UMA ÓTICA FLEXVEL VIA NASAL. 

 

A VIDEOLARINGOSCOPIA É UM EXAME COM AMPLA INDICAÇÃO.

 

É UM ALIADO NO DIAGNÓSTICO DAS DOENÇAS QUE ACOMENTEM AS PREGAS VOCAIS, DO REFLUXO LARÍNGEO, NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO, NA AVALIAÇÃO APÓS RADIOTERAPIA E QUIMIOTERAPIA DE NEOPLASIAS QUE ACOMENTEM LARINGE E DISTÚRBIOS DA VOZ EM GERAL. 

 

 

- VIDEOLARINGOESTROBOSCOPIA:

É UM EXAME SIMILAR A VIDEOLARINGOSCOPIA,A DIFERENÇA ESTA NA FONTE DE LUZ UTILIZADA PARA A REALIZAÇÃO DO EXAME. A VIDEOLARINGOSCOPIA USA UMA LUZ CONTÍNUA E A VIDEOLARINGOESTROBOSCOPIA USA UMA LUZ DESCONTÍNUA QUE LENTIFICA A VISUALIZAÇÃO DO MOVIMENTO DAS PREGAS VOCAIS E PERMITE MELHOR IDENTIFICAÇÃO DA VIBRAÇÃO DAS MESMAS.

 

A VIDEOLARINGOESTROBOSCOPIA ATENDE À MESMA FAIXA ETÁRIA DA VIDEOLARINGOSCOPIA E, EM GERAL, É SOLICITADA EM CASOS DUVIDOSOS E QUE EXIGE UM MELHOR DETALHAMENTO DO MOVIMENTO VOCAL. 

 

 

- VIDEOLARINGOSCOPIA COM TESTE DE DEGLUTIÇÃO:

EXAME FEITO PELO MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA PARA AVALIAR A CAPACIDADE FUNCIONAL DA DEGLUTIÇÃO DE UM PACIENTE. POR MEIO DE UMA ÓTICA FINA E FLEXÍVEL (NASOFIBROSCÓPIO), INTRODUZIDA EM UMA DAS NARINAS, É FEITA A VISUALIZAÇÃO DA REGIAO GLÓTICA (NA LARINGE) DURANTE A DEGLUTIÇÃO DOS ALIMENTOS.  

 

SÃO OFERECIDOS AMOSTRAS DE ALIMENTOS COM CORANTE COMESTÍVEL NAS CONSITÊNCIAS DE LÍQUIDO, PASTOSO E SÓLIDO. OBSERVA-SE ENTÃO SE HÁ ASPIRAÇÃO DE SALIVA E/OU ALIMENTOS PARA A TRAQUEIA (VIA ERRADA) AO INVÉS  DE SEGUIR PARA O ESÔFAGO (VIA CORRETA). 

 

ESTE EXAME ESTÁ INDICADO PARA AVALIAÇÃO DE PACIENTES COM ENGASGOS COM SALIVA OU DURANTE A ALIMENTAÇÃO, PACIENTE COM DIFICULDADES PARA SE ALIMENTAR EM GERAL. 

 

 

- VIDEONASOFIBROSCOPIA:

ESTE EXAME CONSISTE NA INTRODUÇÃO ATRAVÉS DAS NARINAS DE UM EQUIPAMENTO FINO E FLEXÍVEL (NASOFIBROSCOPIO) INTERLIGADO A UMA CÂMERA E UM MONITOR, OU TV. O NASOFIBROSCÓPIO TEM COMO OBJETIVO FILMAR TODO O NARIZ INTERNAMENTE. 

 

A FAIXA ETÁRIA DOS PACIENTES QUE PODEM SER SUBMETIDOS A ESTE EXAME E DO RECÉM-NASCIDO AO IDOSO. O TEMPO DE REALIZAÇÃO VARIA DE ACORDO COM A HABILIDADE DO MÉDICO EXAMINADOR. 

A VIDEONASOFIBROSCOPIA PODE SER INDICADA EM INUMERAS SITUAÇÃOES, TAIS COMO: AVALIAÇÃO DO TAMANHO DA ADENÓIDE EM CRIANÇAS, PRÉ E PÓS-CIRÚRGICOS, OBSTRUÇÃO NASAL AGUDA OU CRÔNICA E VISUALIZAÇÃO DA LARINGE EM PACIENTES COM REFLEXO NAUSEOSO INTENSO NA VIDEOLARINGOSCOPIA.

 

 

CIRURGIAS OTORRINOLARINGOLÓGICAS

 

NARIZ

 

- SEPTOPLASTIA:

O OBJETIVO DESTA CIRURGIA É DEIXAR O SEPTO NASAL O MAIS RETIFICADO POSSÍVEL DE FORMA A MELHORAR A PASSAGEM DO AR PELAS NARINAS ATÉ AS COANAS (FINAL DO NARIZ INTERNAMENTE).

 

ESTÁ INDICA NO TRATAMENTO DAS OBSTRUÇÕES NASAIS EM QUE HÁ DESVIO DO SEPTO NASAL.

 

OS PACIENTES APTOS A ESTA CIRURGIA DEVEM ESTAR NO FINAL DA ADOLESCÊNCIA OU NA FASE ADULTA, CRIANÇAS PODEM SER SUBMETIDAS A ESTE PROCEDIMENTO EM CASOS CRITERIOSOS, EM SUA MAIORIA, FEITO COM ANESTESIA GERAL E COM USO DE ENDOCÓPIOS.

 

 

- TURBINECTOMIA:

ESTE PROCEDIMENTO TEM COMO OBJETIVO UMA REDUÇÃO NO VOLUME DOS CORNETOS NASAIS (CONCHAS NASAIS), ESTAS ESTRUTURAS SÃO FISIOLOGICAMENTE PRESENTES NO NARIZ, MAS EM ALGUMAS PESSOAS PODE TER SEU TAMANHO EXAGERADO.

 

NA MAIORIA DOS CASOS É REALIZADA ASSOCIADA A OUTROS PROCEDIMENTOS ENDONASAIS, COMO A SEPTOPLASTIA. ESTÁ INDICA NO TRATAMENTO DAS OBSTRUÇÕES NASAIS EM QUE HÁ A HIPERTROFIA DOS CORNETOS NASAIS. OS PACIENTES APTOS A ESTA CIRURGIA DEVEM ESTAR NO FINAL DA ADOLESCÊNCIA OU NA FASE ADULTA, CRIANÇAS PODEM SER SUBMETIDAS A ESTE PROCEDIMENTO, MAS EM CASOS CRITERIOSOS, EM SUA MAIORIA, FEITO COM ANESTESIA GERAL E COM USO DE ENDOCÓPIOS.

 

 

- CAUTERIZAÇÃO ELÉTRICA DOS CORNETOS NASAIS:

ESTE PROCEDIMENTO TEM COMO OBJETIVO UMA REDUÇÃO NO VOLUME DOS CORNETOS NASAIS (CONCHAS NASAIS). ESTAS ESTRUTURAS SÃO FISIOLOGICAMENTE PRESENTES NO NARIZ, MAS EM ALGUMAS PESSOAS PODEM TER SEU TAMANHO EXAGERADO. CONSISTE NO USO DA CORRENTE ELÉTRICA DE UM CAUTÉRIO CIRÚRGICO PARA DIMINUIR O VOLUME DAS CONCHAS NASAIS.

 

NA MAIORIA DOS CASOS É REALIZADA ASSOCIADAÀAMIGDALECTOMIA COM OU SEM ADENOIDECTOMIA. SEMPRE SOB EFEITO DA ANESTESIA GERAL.

 

A CAUTERIZAÇÃO DOS CORNETOS NASAIS ESTÁ INDICADA EM CRIANÇAS QUE AINDA NÃO PODEM SER SUBMETIDAS A UMA TURBINECTOMIA.

 

 

- SINUSECTOMIAS:

CONSISTEM EM PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS QUE VISAM A ABERTURA DOS SEIOS PARANASAIS, DE FORMA A GARANTIR UMA MELHOR DRENAGEM DOS MESMOS.

 

AS SINUSECTOMIAS SÃO INDICADAS NO TRATAMENTO DAS SINUSITES CRÔNICAS, NOS CASOS DE POLIPOSE NASAL, NA REMOÇÃO DE CISTOS OU TUMORES ENDONASAIS.

 

AS SINUSECTOMIAS SÃO REALIZADAS, EM SUA MAIORIA, COM ANESTESIA GERAL E COM USO DE ENDOCÓPIOS. 

 

 

- CIRURGIA PARA CONTROLE DE EPISTAXE:

A EPISTAXE OU SANGRAMENTO NASAL, EM SUA MAIORIA, NÃO REQUER TRATAMENTO INVASIVO, CESSANDO ESPONTANEAMENTE OU COM USO DE COMPRESSAS.

 

CONTUDO, UMA PEQUENA PARCELA DOS CASOS DE EPISTAXE REQUER MEDIDAS MAIS INVASIVAS TAIS COMO: TAMPONAMENTOS, CAUTERIZAÇÕES QUÍMICAS (COM USO DE ÁCIDO TRICLOROACÉTICO) E ELÉTRICAS, EM AMBULATÓRIO OU CENTRO CIRÚRGICO. 

 

GARGANTA

 

- AMIGDALECTOMIA COM OU SEM ADENOIDECTOMIA:

AS AMÍGDALAS FICAM NO FINAL DA GARGANTA, UMA DIREITA E UMA ESQUERDA, E PODEM SER VISTAS COM A SIMPLES ABERTURA ORAL. A ADENÓIDE FICA NA PARTE FINAL DO NARIZ E NÃO PODE SER VISTA SEM USO DE INSTRUMENTO ESPECIAL (NASOFIBROSCÓPIO).

 

AS AMÍGDALAS E A ADENÓIDE FAZEM PARTE DO CHAMADO TECIDO LINFÓIDE, CUJA FUNÇÃO ESTÁ EM PROTEGER O ORGANISMO DE INFECÇÕES, SOBRETUDO DAS VIAS AÉREAS SUPERIORES.

 

CONTUDO, ACREDITA-SE QUE ESTA FUNÇÃO PROTETORA OCORRE MAIS NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA, DE FORMA QUE A REMOÇÃO CIRÚRGICA NÃO ACARRETARIA PREJUÍZO ÀS DEFESAS IMUNOLÓGICAS DO PACIENTE. 

 

EM ALGUMAS SITUAÇÕES FAZ-SE NECESSÁRIO A REMOÇÃO CIRÚRGICA DAS AMÍGDALAS E/OU ADENÓIDE, TAIS COMO:AMIGDALITES RECORRENTES, AUMENTO EXCESSIVO DO TAMANHO DAS AMÍGDALAS E/OU DA ADENÓIDE E A SUSPEITA DE NEOPLASIA NESTAS ESTRUTURAS.

 

A AMIGDALECTOMIA, COM OU SEM ADENOIDECTOMIA É UM PROCEDIMENTO QUE DURA CERCA DE UMA HORA, REALIZADA COM ANESTESIA GERAL SEM USO DE CORTES EXTERNOS OU DESLOCAMENTO DA MANDÍBULA. 

 

 

- MICROCIRURGIA NA LARINGE:

A LARINGE É UMA ESTRUTURA TUBULAR INTIMAMENTE RELACIONADA COM A RESPIRAÇÃO E A VOZ.

 

ALGUMAS PESSOAS DESENVOLVEM DOENÇAS NA REGIÃO MAIS SUPERIOR DA LARINGE, TAIS COMO: PÓLIPOS, CISTOS, NÓDULOS VOCAIS E TUMORAÇÕES NÃO ESPECIFICADAS.

 

QUANDO BEM INDICADO, ESTAS ALTERAÇÕES EXIGEM A REMOÇÃO TOTAL OU PARCIAL CIRURGICAMENTE. AS MICROCIRURGIAS NA LARINGE SÃO CIRURGIAS EXTREMAMENTE DELICADAS REALIZADAS, EM SUA MAIORIA, COM ANESTESIA GERAL SEM USO DE CORTES EXTERNOS E COM USO DE UM MICROSCOPIO.

 

OUVIDO

 

- TIMPANOPLASTIA:

É UMA CIRURGIA OTOLÓGICA DESTINADA AO TRATAMENTO DAS PERFURAÇÕES DA MEMBRANA DO TIMPANO, QUE É UMA ESTRUTURA LOCALIZADA NA PARTE MAIS INTERNA DO CONDUTO AUDITIVO E ESTÁ REALICIONADA À PROTEÇÃO DO OUVIDO, COMO TAMBÉM À CONDUÇÃO DAS ONDAS SONORAS.

 

TRATA-SE DE UMA CIRURGIA DELICADA, COM DURAÇÃO DEDUAS A TRÊS HORAS, REALIZADA COM USO DE UM MICROSCÓPIO E SOB EFEITO DE UMA ANESTESIA GERAL. 

 

 

- MASTOIDECTOMIA:

É UMA CIRURGIA OTOLÓGICA DESTINADA AO TRATAMENTO DAS DOENÇAS QUE ACOMETEM A MASTÓIDE, QUE É UMA ESTRUTURA DO OUVIDO REPLETA DE AR QUE POR VEZES INFECCIONA DE FORMA RECORRENTE, COM A FORMAÇÃO DE SECREÇÃO NO OUVIDO (OTORRÉIA).

 

DE FORMA BEM RESUMIDA, A MASTOIDECTOMIA VISA TRATAR AS CHAMADAS OTITE MÉDIAS CRÔNICAS, ASSOCIADAS OU NÃO A TIMPANOPLASTIA.

 

MASTOIDECTOMIAS TAMBÉM SÃO UTÉIS NAS DESCOMPRESSÕES DO NERVO FACIAL. TRATA-SE DE UMA CIRURGIA DELICADA, COM DURAÇÃO DE DUAS A QUATRO HORAS, REALIZADA COM USO DE UM MICROSCÓPIO E SOB EFEITO DE UMA ANESTESIA GERAL. 

 

 

- TIMPANOTOMIA PARA COLOCAÇÃO DE TUBO DE VENTILAÇÃO:

ESTA CIRURGIA É INDICADA SOBRETUDO NO TRATAMENTO DAS CHAMADAS OTITES MÉDIAS SEROSAS (OMS) RECORRENTES E NAS RETRAÇÕES SEVERAS DA MEMBRANA DO TÍMPANO.

 

NAS OMS HÁ UM ACÚMULO INDESEJADO LÍQUIDO DENTRO DO CHAMADO OUVIDO MÉDIO. ESTE LÍQUIDO GERALMENTE PROMOVE UM GRAU DE PERDA AUDITIVA.

 

 A TIMPANOTOMIA É A ABERTURA DE UM PEQUENO FURO NA MEMBRANA DO TÍMPANO PARA A COLOCAÇÃO DE UMA PRÓTESE EM FORMA DE TUBO, QUE PROMOVE UMA MELHOR VENTILAÇÃO ENTRE A PARTE EXTERNA E MÉDIA DO OUVIDO. CONSEQUENTEMENTE, HÁ A DRENAGEM DO LÍQUIDO NAS OMS E A MELHORA NOS CASOS DE RETRAÇÃO DA MEMBRANA DO TÍMPANO. EM CRIANÇAS É COMUM A TIMPANOTOMIA PARA COLOCAÇÃO DE TUBO DE VENTILAÇÃO ESTAR ASSOCIADA À ADENOIDECTOMIA, COM OU SEM AMIGDALECTOMIA.

 

TRATA-SE DE UMA CIRURGIA DELICADAREALIZADA COM USO DE UM MICROSCÓPIO E, NA MAIORIA DOS CASOS, SOB EFEITO DE UMA ANESTESIA GERAL. 

 

 

 

 

Copyright © 2015  -Clínica Ottos - Todos os Direitos Reservados

Rua Catulo da Paixão Cearense, 135 - Edifício Central Park - Salas: 1106 e 1107 - Juazeiro do Norte - CE